мãє

Enfermeiras desconhecem protocolo de pré-natal do Ministério da Saúde

Posted on: 14/09/2011

Enfermeiras desconhecem protocolo de pré-natal do Ministério da Saúde

Documento publicado em 2001 traz detalhes sobre os procedimentos mínimos para uma consulta pré-natal de qualidade

Uma pesquisa de mestrado realizada na Faculdade de Odontologia de Piracicaba (FOP) aponta para uma situação preocupante que pode ser comum a diversas cidades no interior do país. Os resultados do estudo indicam que muitos profissionais de saúde desconhecem o protocolo de atendimento pré-natal preconizado pelo Ministério da Saúde.

O levantamento foi feito junto a enfermeiras que atuam nas Unidades de Saúde da Família (USF) de Piracicaba, interior de São Paulo. A pesquisa, conduzida pela enfermeira Daniela Berjan Pecorari, teve por objetivo avaliar a utilização do manual pelos enfermeiros.

O documento traz, entre outras coisas, um detalhamento sobre os procedimentos mínimos necessários para realizar uma consulta pré-natal de qualidade. ” O estudo mostra a importância de se pensar em iniciativas para a dinâmica de serviço deste profissional e realizar uma melhor organização do serviço de pré-natal do município” , afirma Daniela.

Segundo o levantamento feito pela enfermeira, 26,5% das profissionais que participaram da pesquisa não trabalhavam com essa ferramenta nas USF, embora 73,5% afirmassem possuir o protocolo. Daniela aplicou um questionário de sua autoria para 34 enfermeiras que atuam no serviço mantido em Piracicaba para elaborar um perfil sócio-demográfico e de formação profissional e traçar um cenário do atendimento. Daniela Pecorari contou com a orientação do professor Marcelo de Castro Meneghim.

Ainda que uma minoria não utilize ou desconheça o manual técnico, Daniela acredita que os resultados apontam a necessidade de ações que possibilitem o treinamento e a capacitação das profissionais no desempenho de suas funções. ” O atendimento pré-natal é essencial para se evitar complicações do parto e com o bebê” , argumenta. Outra proposta seria a implantação de um protocolo único para todas as Unidades de Saúde da Família para uniformizar o atendimento pré-natal, visto que 8% das entrevistadas seguem protocolo elaborado pela Secretaria de Saúde do Município.

“O uso de protocolos clínicos na assistência à saúde da mulher visa, exatamente, a organizar e qualificar a assistência prestada. A ferramenta, neste caso, se tornaria um facilitador no levantamento do histórico, nas soluções para possíveis problemas encontrados, nos diagnósticos frequentes e nas condutas a serem tomadas. Um documento único garantiria ainda a padronização da assistência prestada e oficializaria a possibilidade de prescrição de medicamentos pelos enfermeiros dentro de suas competências, além de oferecer um respaldo para os profissionais” , enumera a enfermeira.

É importante destacar que o manual do governo federal teve sua publicação em 2001 e, justamente, os profissionais formados após este ano detinham mais informações sobre os procedimentos do que aquelas com maior tempo de formação. ” O que considero mais uma justificativa para se pensar na formação profissional” , argumenta Daniela, destacando que apesar de a maioria ter um período de mais de nove anos de formação acadêmica, os profissionais ainda estão com pouca experiência na assistência à mulher durante o pré-natal. ” Isto revela que temos um quadro de pessoas jovens em idade e de tempo de trabalho na instituição pública municipal, e que estão em busca de amadurecimento profissional” , comenta.

Daniela Pecorari lembra que poucas pessoas sabem, mas a consulta de enfermagem para gestantes pré-natal no Brasil surgiu na década de 1960 e sua legalização ocorreu em 1986 através da Lei 7.498. Com isso, o exercício da Enfermagem possibilita a prescrição de medicamentos, desde que sejam estabelecidos em programas de Saúde Pública e em rotina aprovada pela instituição de saúde. De acordo com a lei do Exercício Profissional de Enfermagem, decreto 94.406/87, o pré-natal de baixo risco pode ser inteiramente acompanhado pelo enfermeiro ao invés das pacientes passarem por um médico obstetra todo mês. O profissional de enfermagem poderia, até mesmo, conduzir um parto que não ofereça riscos para mãe ou bebê.

*A imagem ilustrativa deste post retirei do site http://semsa.manaus.am.gov.br/wp-content/uploads/2010/05/pre_natal-246×300.gif através de pesquisa na internet.
*As informações acima retirei do site http://www.isaude.net/pt-BR/noticia/20769/profissao-saude/enfermeiras-desconhecem-protocolo-de-pre-natal-do-ministerio-da-saude através de pesquisa na internet.
About these ads

2 Respostas to "Enfermeiras desconhecem protocolo de pré-natal do Ministério da Saúde"

o QUE FALAR DOS MÉDICOS E ODONTÓLOGOS QUE SE NEGAM A FAZER O ACOMPANAHMENTO PRÉ NATAL NA ATENÇÃO BÁSICA?O QUE FALAR DOS ODONTÓLOGOS QUE PRESCREVEM MEDICAMENTOS SEM SABER AO MENOS NOÇÕES DE FARMACOLOGIA?

Oi Elânia
Adorei tu teres falado sobre isto,pois só sabem cobrar do enfermeiros, onde estão médicos, odontólogos e gestores que nem sabem como funcionam este protocolo?
Que desconhecem como funcionam os PSFs e gostam de quantidade e não de qualidade no atendimento!
É isto ai Elânia, temos que falar pois já está passando dos limites estas coisas. Formandos novos quando entrarem no mercado de trabalho irão ver muitas coisas que na realidade é totalmente diferente!!!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

%d blogueiros gostam disto: